Para que serve:

Gestão de instrumentos e ativos hospitalares, por meio de acompanhamento e rastreamento por rádio frequência, apoiado por um sistema informatizado. Atende à RESOLUÇÃO-RDC Nº 2, DE 25 DE JANEIRO DE 2010 e a RDC Nº 15, DE 15 DE MARÇO DE 2012.

Desafios no processo atual

Controles e benefícios:

  • De estoque – inventário de instrumentos e ativos;
  • De movimento – rastreabilidade;
  • Fácil identificação do local onde se encontra cada instrumento ou peça;
  • De uso – identificação de cada indivíduo e instrumentos envolvidos no processo;
  • De preparação – montagem assistidas de bandejas e kits;
  • Gerencial – por meio de relatórios diversos;
  • Geral – todo o sistema poderá ser supervisionado por meio de uma plataforma web, facilitando o acompanhamento em qualquer lugar em que os seus gestores estejam; Segurança nos procedimentos cirúrgicos;
  • Segurança do paciente;
  • Modernização dos processos de gestão;
  • Tecnologia exclusiva na acoplagem do chip aos instrumentos cirúrgicos;
  • Controle de evasão;
  • Controle na movimentação dos ativos em tempo real;
  • Aderência da tecnologia às equipes e colaboradores;
  • Atendimento às normas da Anvisa e regulamentação da OMS;
  • Tecnologia consolidada em diversos países como Dinamarca, Alemanha, México e Estados Unidos.

Ciclo Operacional